Brasão 

De autoria do Dr. Afonso D'Escragnolle Taunay, o Visconde de Taunay, foi atualizado pelo heraldista professor Arcinóe Antonio Peixoto de Faria, da Enciclopédia Heráldica Municipalista. É assim descrito:

Escudo clássico flamengo-ibérico: representa o brasão herdado pela heráldica brasileira, como evocativo da raça colonizadora e formadora de nossa nacionalidade.

A coroa mural que o sobrepõe: é o símbolo universal dos brasões de domínio, de oito torres (apenas cinco são visíveis, em perspectiva, no desenho) classifica a cidade representada como Sede de Comarca.

A cor do metal argente, prata, do campo do escudo: simboliza em heráldica a paz, amizade, trabalho, prosperidade, pureza e religiosidade.

A faixa ondeada de blau, azul: representa o rio Tietê. A cor indica justiça, nobreza, perseverança, zelo e lealdade.

Batelões de jalde, ouro: lembram as monções dos bandeirantes que, em expedições desciam o rio e ancoravam no Porto das Monções, situado em terras do atual município de Ibitinga. Esta cor representa a glória, riqueza, esplendor, grandeza e soberania.

O rochedo emergindo das águas do rio: representa que a imagem histórica do padroeiro de Ibitinga proveio de Itapura. A cor sable, preto, tem o significado heráldico de prudência, sabedoria, moderação, dedicação e ciência.

Em Chefe, parte superior do escudo, a coroa de espinhos e os diagramas de Cristo: simbolizam o padroeiro da cidade - Senhor Bom Jesus.

Em ponta, o escudete de argente, prata, facheado de goles, vermelho, tendo em Chefe a cabeça de um leão e timbrado com duas asas de águia: reproduzem as armarias da Família Landim, Miguel Landim, considerado o fundador da cidade.

O bandeirante e o fazendeiro: são as figuras humanas ligadas ao desbravamento e povoamento da região.

O café e o algodão: lembram os principais produtos da terra dadivosa e fértil, esteios da economia municipal.

O listel, escrito em letras argentes, prata, está o topônimo identificador IBITINGA. A data 1885 é data de sua elevação a Distrito de Paz e a data 1890 é a data de sua emancipação política. A cor do listel de goles, vermelho é símbolo heráldico de amor pátrio, audácia, intrepidez, coragem e valentia.


Bandeira 

De autoria do heraldista professor Arcinoé Peixoto de Faria, da Enciclopédia Municipalista.
É esquartelada em cruz, sendo os quartéis de azul constituídos por quatro faixas amarelas carregadas de sobre-faixas vermelhas, dispostas duas a duas no sentido horizontal e vertical, que partem de um losango central, onde o Brasão Municipal é aplicado.

O estilo: obedece à tradição da heráldica portuguesa, da qual herdamos os cânones e regras, com direito a opção pelos estilos: oitavado, sextavado e esquartelado em cruz, lembrando o espírito cristão do povo de Ibitinga.

O Brasão ao centro: simboliza o Governo Municipal e o losango onde é aplicado representa a própria cidade-sede do Município. As faixas simbolizam o Poder Municipal que se expande a todos os quadrantes do território e os quartéis assim constituídos, representam as propriedades rurais existentes no território municipal.

De conformidade com as regras heráldicas, a Bandeira Municipal tem as dimensões oficiais adotadas para a Bandeira Nacional: catorze módulos de altura da tralha por vinte módulos de comprimento do retângulo.


Hino 

(Ouvir o Hino)

"Salve Ibitinga" é de autoria do maestro Fernando Arantes Brasil. A Lei Municipal n. 971 de 02 de fevereiro de 1.971 normatizou os símbolos do município de Ibitinga.

Salve, Ibitinga!
Salve! Salve!
Terra de encanto...
Que eu amo tanto...
Boa e Feliz...

Salve, Ibitinga!
Salve! Salve!
Terra de luz
Do Bom Jesus,
Que eu sempre quis

Salve, Ibitinga!
Salve! Salve!
Mãe brasileira!
Hospitaleira!
Terra gentil!
Salve o teu povo

Varonil!
Sempre de pé, 
Cheio de fé,
Pelo Brasil.

Salve o Rio Branco, que na luta é sem igual 
Salve o América, que foi o nosso campeão 
Salve a Industrial, Comercial e o Normal
Salve o Colégio e o Primário
que do ensino é o coração!

Salve o brotinho que passa (fiu fiu)
Balzaqueana com graça (oba)
Salve os atletas do basquete!
Salve o esporte da raquete!
Vôlei e futebol de salão!


Canção - Cidade Ternura

(Ouvir Cidade Ternura)

"Cidade Ternura" é de autoria do maestro Fernando Arantes Brasil. Foi aprovado pela Lei Municipal número 930, de 08 de dezembro de 1969.

Eu tenho uma namorada, Que à noite é enfeitada Com retalhos do luar...
É de bela natureza... Os seus rios, que beleza!... Vão encher o verde mar...
E quando rompe a alvorada, No arvoredo a passarada, Principia o seu cantar.,
Ela, morena buliçosa, Despertando toda prosa, Põe-se logo a trabalhar.

(Estribilho):
Oh Ibitinga!
Quanta saudade!
Recordar é viver, é sonhar...
Relembrar é sofrer, é chorar...

Oh Ibitinga!
Quanta Ternura!
Um pistão que murmura ao luar...
Um violino a chorar...

Quando na rua o namorado, Sob o céu todo estrelado, Vai tangendo o seu violão...
É a canção em serenata, É a saudade que nos mata, Sufocando o coração...
Quando no alto flutuando, Vai a lua iluminando, Meu rincão, meu paraíso.
Ela, morena caprichosa, Adormece descuidosa Desprendendo um sorriso.

(Estribilho):
Oh Ibitinga!
Quanta saudade!
Recordar é viver, é sonhar...
Relembrar é sofrer, é chorar...

Oh Ibitinga!
Quanta Ternura!
Um pistão que murmura ao luar...
Um violino a chorar!