Em 1842, aconteceu em Minas Gerais a Revolução Liberal, rebelião que foi controlada pelas forças Imperiais, mas os fatos forçaram muitas famílias a procurarem novas terras. Esta é uma das teorias para explicar a migração para o interior paulista; outros historiadores acreditam que a decadência da mineração do ouro seja o motivo. Foi no final deste ano que as famílias mineiras, Landim e de Pedro Alves de Oliveira (Velho Amaro), chegaram à região de “Campos de Araraquara”, de onde “os Amaro” partiram para o norte e fundaram a cidade de Boa Vista das Pedras, mais tarde conhecida como Itápolis.

“Os Landim” rumaram para o sul e se estabeleceram na cachoeira de Wamicanga, povoado que foi quase dizimado pela febre palustre e por ataques indígenas.Partiram então, em direção ao nordeste até chegarem na confluência dos córregos Saltinho e São Joaquim, terra que foi dividida entre o clã, para que fosse mais bem cultivada. A Miguel Landim coube a região entre o Córrego São Joaquim e o Córrego Água Quente, onde foi formado o povoado da "Capela da Água Quente", sendo que, o ano provável da fundação é 1860. No dia 03 de outubro de 1870, Miguel Landim e sua esposa Ana Custódio de Jesus, doaram à Mitra Diocesana o patrimônio onde se formou a Vila de Ibitinga.

Em 1885, por Lei provincial de número 105, Ibitinga foi elevada à categoria de “Distrito de Paz” e em 04 de julho de 1890, por força da Lei de número 66, assinada pelo então governador, Prudente de Moraes Barros, teve a sua emancipação político-administrativa.

Em 1987, o município tornou-se Área de Proteção Ambiental.

Em 1992, de acordo com a Lei nº 8.199, o município foi elevado a “Estância Turística”.


Galeria de Prefeitos

Cap. José Rodrigues Simões – Intendente
(1890 – 1891)

Ernesto da G. Cerqueira – Intendente
(1904 – 1908)

Dr. Antonio J. P. Guimarães
(1909)

Giacomo Gallacini
(1909-1910)

Antonio João Hag
(1910 – 1911)

Bellarmino L. de Souza
(1911-1912)

Sebastião Nunes Pinheiro
(1912-1915)

Custódio R. dos Santos
(1915-1918, 1921-1922, 1923)

Lazaro de Oliveira Barros
(1917-1918, 1919-1920)

Dr. Orlando C. Ferraro
(1923-1936-1938)

Dr. José Adolfo Musa
(1923)

Major Silvestre R. Teixeira
(1924 1927 1930 1938 1940)

João Braga
(1925)

David Carlos
(1926-1927)

Luiz Gonzaga dos C. Barros
(1931)

Cel. Pedro de Morais Pinto
(1931)

Dr. Theodolindo Castiglione
(1931 – 1932)

Waldomiro Racy
(1933-1936)

Dr. Nelson G. Pereira
(1933-1935)

Dr. Cicero Honorio D´Avila
(1936)

Waldomiro R. dos Santos
(1941 1944)

Dr. Cid Campos
(1944 1945)

João Soares Arantes
(1945 1946)

José Castilhos Marques
(1946-1947)

Osório de Souza Caldas
(1947)

João de O. Custódio
(1947)

Wilson Racy
(1947)

Dr. Victor Maida
(1948-1951, 1960-1963, 1969-1972)

Guido L. Dal´Acqua Filho
(1951)

Alberto Alves Casemiro
(1952-1955)

Dr. Olderige Dall´Acqua
(1956-1959, 1966-1969)

Alvaro Pereira Junior
(1961)

Dr. Walter Secanha
(1962)

João Paulo Bocca
(1966)

Antonio Viviani
(1970)

Nicola Lucinio Sobrinho
(1973-1976, 1983-1988, 1993-1996)

Dr. Lucínio H de O. Arantes
(1977-1982)

Dr. Ivanil Francischini
(1981)

Antonio Lorusso Corrêa
(1980)

Florisvaldo A. Fiorentino
(1985-1996, 2001-2004, 2005-2008, 2013-2016)

Dr. Yashieo Sato
(1989-1992)

Dr. Eduardo C. do Nascimento
(1989)

Roosevelt A. de Rosa
(1997-2000)

Marco Antonio da Fonseca
(2009-2012)

Dr. Wanderley Racy
(2009)

Cristina Maria Kalil Arantes
(2017-2020)